revoada da arte com a educação – educação – 14 de outubro de 2020 – [Gratuito – ONLINE]

Informações

revoada da arte com a educação
de 14 de outubro de 2020
Das 18h às 22h

Coordenação geral: Stela Barbieri
Curadoria: equipe binåh e coordenadores das mesas
Coordenação artística: Simone Lima
Coordenação: Leila Monteiro e Carina Tiyoda

Duração: 4h de encontro por noite
Encontros gratuitos

Contato: contato@binahespacodearte.com.br

Transmissão através do canal do binåh no You Tube

>>14 de outubro de 2020
das 18h às 22h
No canal do YouTube do binåh espaço de arte

18h – MESA 1
Hiatos e conexões na formação dos professores em tempo de pandemia

Rubem Alves afirmava “ostra feliz não faz pérola”. Nesse momento ímpar é preciso ser pérola e transformar a dificuldade em energia que move. A formação dos professores e as ações educativas são urgentes, então seja na presença ou na distância, estamos de mãos dadas construindo utopias. Quatro gestoras dialogam sobre suas experiências nesse momento que estamos vivendo, sobre os movimentos gerados, a falta, a espera e outras percepções do tempo. Como construir juntos outras utopias?

Cida Bosco é diretora da Escola da FAACG (Fundação Antônio Antonieta Cintra Gordinho), Mestre em Literatura pela USP. Atuação como professora e Coordenadora Pedagógica da Educação Básica na rede pública e privada de Jundiaí/SP, além de ter lecionado no Ensino Superior para o curso de Pedagogia. Participou do curso de Pós-Graduação “O Papel do Coordenador” (Universidad Torcuato di Tella e Reggio Children), com módulo realizado em Reggio Emilia.

 

 

Maria Theresa Marcílio é presidente e co-fundadora da Avante ONG em Salvador-Brasil.  Mestra em Educação pela Harvard Graduate School of Education da Harvard University. Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal da Bahia e com formação em Psicologia Social como coordenadora de Grupos Operativos pelo Instituto Pichon Rivière de São Paulo.  Foi professora da Faculdade de Educação da UNB, assessora técnica da Coordenação de Educação Pré-Escolar (COEPRE) do MEC, coordenadora do Programa de Integração da Universidade com o 1º grau na SESU/MEC e ocupou a coordenação de Programas de Ensino da Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Salvador. É membro do Conselho da Fundação para o Desenvolvimento da Ciência em Salvador. Atualmente, coordena o projeto Global Leaders for Americas da World Forum Foundation.

Sylvia Helena Bourroul é diretora do Acaia Pantanal, organização da sociedade civil dedicada à educação e desenvolvimento social aliado à preservação da natureza voltada à população ribeirinha do Pantanal Sul-Matogrossense. Especializada em Administração em Sistemas de Saúde (FGV/SP), em Educação em Saúde Pública (São Camilo) e em Gestão de Organizações do Terceiro Setor FGV/SP), atuou como executiva e consultora em diversas organizações públicas e do terceiro setor ao longo dos últimos 30 anos. Atualmente coordena ações ligadas à educação de ensino fundamental, educação social, formação de educadores, preservação ambiental, dentre outras.

Telma Holanda é pedagoga com administração escolar e formação em Artes Plásticas. Especialista em Escutas Antropológicas e Poéticas das Infâncias.Co-fundadora da Diálogos Viagens Pedagógicas.

 

 

 

 

19 h – MESA 2
Não se vive só de tela

Duas educadoras e uma psicanalista conversam sobre a arte de cultivar os vínculos e cuidar das relações que precisaram migrar para o virtual.
Fomos reduzidos, da noite para o dia, em retângulos bidimensionais?Como  hidratar essa nova forma de comunicação? É possível manter viva a narrativa? Essas e outras reflexões estarão presentes nesse nosso encontro.

Cleide Terzi é pedagoga e mestre em Supervisão e Currículo – Especialista em Educação. Foi docente nos Cursos de Pedagogia: PUC/SP (1985-1987), Faculdade Tibiriçá (1983-1988). Elaborou a organização Curricular das Escolas de Magistério da Secretaria de Educação do Estado de Tocantins – 1995. Foi consultora na Fundação Vanzoline – Secretaria de Educação do Estado de São Paulo – PEC – Formação Universitária – 2001/2002 e coordenadora de grupo de formação de educadores de Escolas particulares e públicas. Autora dos livros: “A Prova Operatória”, “A Aula Operatória” e “O Pensamento parece uma coisa à-toa” e co-autora de mais de 4 livros. Atualmente é diretora da Ronca e Terzi Serviços e Treinamentos.

Cristina Mantovanini é doutora em Psicologia da Educação (FEUSP). Psicanalista membro associada da SBPSp com  longa experiência em atendimento clínico de crianças, adolescentes e suas famílias. Autora do livro “Professores e alunos problema: um círculo vicioso”( FAPESP e Casa do Psicólogo).

 

 

Patrícia Torralba Horta é doutora em Psicologia da Educação (FEUSP) e Pedagoga (PUC-SP) com especialização em Psicopedagogia. Foi supervisora e diretora do Colégio Bialik de 2002 a 2011, coordenadora geral do Ensino da Educação Infantil e Fundamental I no Colégio Equipe, além de assessora pedagógica em redes públicas e privadas. Desenvolveu experiência na formação de educadores e na orientação familiar. Afora o seu trabalho em instituições de ensino, coordena e ministra palestras para educadores e pais. Atualmente, é diretora pedagógica e educacional do Ensino Fundamental – Anos Iniciais da Escola Lourenço Castanho.

 

Stela Barbieri é artista , educadora, escritora e contadora de histórias.  Foi curadora do Educativo da Bienal de Artes de São Paulo e diretora da Ação Educativa do Instituto Tomie Ohtake. Foi assessora de artes da educação infantil e ensino fundamental na escola Vera Cruz e prestou assessoria nas escolas em SP e RJ  Stela fez parte do Conselho Consultivo do PGECC – Programa Gulbenkian Educação para a Cultura e Ciência, em Lisboa, Portugal e  da Pinacoteca do Estado de São Paulo. Ela também coordenou o curso de Pós-Graduação em Museus e Instituições Culturais, do Instituto Singularidades. Contadora de histórias, Stela é autora de 25 livros infanto juvenis. É diretora do Bináh Espaço de Arte.

 

20h – MESA 3
Educação: territórios, identidades e saberes em conexão.

As raízes de um povo se fortalece quando estão junto de seus pares. A educação que valoriza a cultura promove trocas, cultiva histórias, resgata vivências e aprendem em convivência. Nesse Brasil de inúmeros territórios é preciso romper os limites para que possamos aprender uns com os outros. Pesquisadoras, professoras, educadoras, gestoras, quatro mulheres conversam sobre suas experiências com a educação fora da sala de aula em outros territórios. Como acessar outros territórios em tempos de pandemia?

Cida Pérez é graduada em Ciências Sociais (Bacharelado e licenciatura) – FFLCH/USP – 1976/1982. Philosophy Doctor pela Universidade de Siegen/Alemanha – (2011) – INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO (um estudo do programa “Centro Educacional Unificado” na cidade de São Paulo), área de concentração Educação, reconhecido pela Faculdade de Educação da Universidade São Paulo (2012).Ex-Secretaria Municipal de Educação da cidade de São Paulo (2001/2004) e da cidade de Suzano, São Paulo, (2006/2007); Diretora de avaliação e indicadores da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do MEC – (2005 a 2006); Consultoria na área educacional para diversos municípios entre os quais São Carlos, Nova Iguaçu, Belo Horizonte, São Carlos pelo Instituto Paulo Freire, Cenpec e FIA/USP. Trabalhou no CENPEC e GIFE.

Lisangela Kati do Nascimento é bacharel e licenciada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista. Mestre e Doutora em Geografia com ênfase no ensino de Geografia pela Universidade de São Paulo. É pós-doutora pelo Programa de Ciência Ambiental do Instituto de Estudos Energéticos (IEE) da Universidade de São Paulo. É pesquisadora do Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas em Áreas Úmidas Brasileiras- NUPAUB/USP.  É professora no curso de Pedagogia do Instituto Vera Cruz e coordenadora pedagógica em escola particular. Trabalha também com formação continuada de professores, com assessoria pedagógica em escolas públicas e privadas na área da Didática do Ensino e com produção de materiais didáticos. Tem se dedicado  a luta por uma educação de qualidade na região do Vale do Ribeira, sobretudo, pela implementação da educação diferenciada para as comunidades tradicionais da região.

Natacha Costa é diretora geral da Associação Cidade Escola Aprendiz desde 2006. Psicóloga formada e licenciada pela PUC-SP, Natacha participa ativamente da construção das agendas de Educação Integral, Inovação na Educação e Exclusão Escolar no país atuando em conselhos e comitês relacionados a estes temas nos últimos anos. Atualmente é membro do Conselho Estratégico Universidade-Sociedade da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), do Comitê Nacional para a Busca Ativa Escolar do UNICEF, do Movimento de Inovação na Educação e do Conselho Consultivo do Núcleo de Projeto e Pesquisa em Cultura, Cidade, Gênero e Primeira Infância do Instituto Brasiliana/Universidade Mackenzie. Além disso, faz parte do Programa Líderes Transformadores da Educação da Fundação SM, compõe a comunidade ativadora do Programa Escolas Transformadoras no Brasil e o conselho consultivo do programa Escolas 2030 no Brasil.

Socorro Lacerda é professora aposentada da Rede Municipal de Ensino da cidade de São Paulo, historiadora com linha de pesquisa em memória e história oral, coautora do projeto voluntário de contação de histórias em escolas rurais “Conte Lá Que Eu Conto Cá”. Cordelista.  Autora dos livros: Ideologia e Utopia na República da Estrela (pesquisa que embasou a monografia da graduação da UNISA (Universidade de Santo Amaro). Amando e Ensimesmando (poesias) e As aventuras do Martín (livro escrito em primeira pessoa sobre os sentimentos e as dificuldades enfrentadas por uma criança pré matura (meu neto).

 

21h – MESA 4
O singular e o comum nos diálogos com a comunidade

As instituições educacionais públicas no Brasil enfrentam dificuldades materiais e estruturais. Porém, o desejo de oferecer uma educação sensível, acolhedora e de qualidade não imobiliza professores, gestores, colaboradores e a comunidade. Juntos vão em busca de outras maneiras, enfrentam as dificuldades acreditando que é preciso fazer da escola um lugar de acolhimento. Quatro gestores de escolas públicas dialogam sobre as vivências e o dia-a-dia das escolas neste momento. Como estar junto com a comunidade mantendo o distanciamento social? Como acolher? Como driblar as dificuldades e gerar encantamentos?com Márcia Harmbach (EMEI Dona Leopoldina), Monique Luz (EMEI Ricardo Gonçalves), Sandra Lima (EMEI Carlos de Laet) e Wilson Carlos Batista dos Santos (EMEF Prof Cecília Moraes de Vasconcelos).

 

Márcia Covelo Harmbach é Pedagoga, Psicopedagoga, Licenciada em Letras ,todos pela PUC-SP. Especialista em escutas antropolögicas de crianças pela Casa Tombada. Formadora de educadores na gestão Luíza Erundina. Educadora da Rede Municipal desde 1984. Diretora da Emei Dona Leopoldina. Formadora de Conselheiros mirins. Pesquisadora das Infâncias.

 

 

Monique Luz é mãe, mulher, pedagoga e professora da Rede Municipal de Educação. Atualmente Assistente de Diretora na EMEI Ricardo Gonçalves e, mais do que tudo, cidadã defensora da Educação Democrática e dos Direitos Humanos.

 

 

 

Sandra Lima é pedagoga pela Faculdade de Educação da USP, educadora da Rede Municipal de São Paulo desde 2008, diretora da Escola Municipal de Educação Infantil Carlos de Laet, escola da Diretoria Regional de Educação do Campo Limpo, desde 2017.

 

 

 

Wilson Carlos Batista dos Santos é especialista em educação física escolar pela FMU, pedagogo pela faculdade Associada Brasil e pós graduado em arte educação faculdade São Luiz de França. Professor efetivo da rede municipal de São Paulo desde 2010 atualmente na função de coordenador pedagógico na EMEF Professora Cecília Moraes de Vasconcelos –  DRE FO Brasilândia.

 

 

> apresentações artísticas
André Gravatá, Coral Cênico Cidadãos Cantantes, Fabiana Cozza, Fernando Vilela, Madalena Monteiro, Rayssa Fleury, Sheila Ortega, Cleston Teixeira e Luis Carlos Bahia

revoada pela arte com educação
>>ficha técnica

Coordenação geral: Stela Barbieri

 

Stela Barbieri é artista plástica, educadora, escritora e contadora de histórias.  Foi curadora do Educativo da Bienal de Artes de São Paulo e diretora da Ação Educativa do Instituto Tomie Ohtake. É assessora de artes da educação infantil e ensino fundamental na escola Vera Cruz e prestou assessoria nas escolas Castanheiras e Nossa Senhora das Graças. Stela fez parte do Conselho Consultivo do PGECC – Programa Gulbenkian Educação para a Cultura e Ciência, em Lisboa, Portugal e atualmente faz parte do conselho da Pinacoteca do Estado de São Paulo.

 Ela também coordenou o curso de Pós-Graduação em Museus e Instituições Culturais, do Instituto Singularidades. Contadora de histórias experiente, Stela é autora de 20 livros infanto juvenis. É diretora do Bináh Espaço de Arte.

 

Coordenação – revoada da arte com a educação – Educação: Leila Monteiro e Carina Tiyoda (binåh espaço de arte)

Leila Monteiro é pedagoga e arte educadora formada pela Universidade de São Paulo (USP), especializada em Artes Visuais, Alfabetização, Educação Infantil e Ensino Fundamental. Pós-graduada em Escuta Antropológicas e Poéticas das Infâncias pela Faculdade de Conchas (FACON). Atuou como professora de artes visuais e coordenadora pedagógica na Educação Infantil, Fundamental I e II. Atua com formação de educadores e assessora escolas através da ACERVO – estudo e assessoria pedagógica.

 

 

Carina Tiyoda é coordenadora de projetos e produtora nas áreas da educação e das artes visuais. Participou na produção das exposições Mirantes (Sesc Junidaí), Paisagens Gráficas (Espaço Cultural Porto Seguro – SP), Projeto Lugares de Stela Barbieri (SESC SP), entre outros. Designer de produto formada pelo Centro Universitário Senac em 2008. Em 2007, desenvolveu o projeto de um móvel lúdico para crianças “Bakball” finalista no 2º prêmio Tok e Stok de design universitário. Em 2010, concluiu a pós graduação latu sensu em Design de Interiores e em 2015, pós graduação em Gerenciamento de Projetos com práticas do PMI, ambos no Centro Universitário Senac. No final de 2008 até abril de 2015, atuou como assistente de ilustração, arte e design dos artistas plásticos, autores e ilustradores Fernando Vilela e Stela Barbieri.E desde maio de 2015, atua como coordenadora de projetos nas empresas ARTEBR Ltda e Bináh Espaço de Arte.

 

Coordenação artística: Simone Lima

 

Simone Lima é graduada em Artes pela Unesp e mestranda pela mesma universidade. É artistista-professora da Escola Municipal de Iniciação Artística. Foi professora pública de artes para o Ensino Básico. É autora de livros didáticos e de literatura paradidática. Atua artisticamente na área de performance e artes visuais.

 

Curadoria: equipe binåh e coordenadores das mesas

equipe binåh
Stela Barbieri
Fernando Vilela
Carina Tiyoda
Felipe Leonidas
Flora Pappalardo
Gilson Pereira
Pedro Campanha
Romeu Loreto
Roselane Silva

Coordenadores de mesa
Queli Arantes
Eri Alves
Leila Monteiro
Valéria Prates
Carolina Velasquez

Esses encontros estão sendo realizados de forma voluntária, independente e sem fins lucrativos por todos organizadores e participantes.