Ô Rosa Lira, liráis – Cantigas de Roda e trabalhos manuais, com Lucilene Silva [Inscrições Abertas]

Informações

quinta-feira, das 19h às 22h
17/10/2019
14/11/ 2019

Vagas limitadas

Valor: 80,00 por encontro

Telefones: (11) 3875-6008 e (11) 3467-4387

Inscrições: através do email contato@binahespacodearte.com.br

Foto Maos Rendeiras

Os cantos de trabalho são uma prática antiga e tradicional da história brasileira, principalmente no espaço rural. Oriundos de tradições musicais indígenas mescladas com as influências europeias e africanas, eles marcavam os ritmos de trabalho, unificando ainda o sentimento do coletivo e tornando mais leve o trabalho extenuante decorrente das longas jornadas.

Lucilene Silva propõe a experiência de um fazer com as mãos movido pela música: as cantigas de roda praticadas durante os trabalhos manuais por grupos de mulheres em comunidades tradicionais.
Lucilene compartilhará, entre outros saberes, o trabalho realizado com o grupo de artesãs “Rendeiras da Aldeia”, que é parte de uma das ações da Oca Escola Cultural (Carapicuíba – SP) e nasceu em 2006 num projeto direcionado às mães e mulheres da comunidade com o objetivo de valorizar os saberes que traziam de suas histórias de vida nos diversos municípios do interior do Brasil. Compartilhada com o grupo pela mestra Wilma da Silva, de Pesqueira, Pernambuco, a Renda Renascença, uma das mais belas tradições manuais brasileiras, é o carro chefe do trabalho.

bio_lucileneLucilene Silva é mestre e doutoranda em Música na UNICAMP, com parte da Pesquisa de Doutorado realizada no Departamento de Etnomusicologia da Universidade Nova de Lisboa. Desenvolve desde 1998 pesquisa de campo e documentação de cultura infantil, música tradicional da infância e música de manifestações populares, tendo percorrido cerca de 160 municípios do Brasil e outros países da América Latina. Coordena o Centro de Estudos e Irradiação da Cultura Infantil e o Centro de Formação de Educadores da Oca Escola Cultural; representa em São Paulo a Casa das 5 Pedrinhas fundada pela pesquisadora Lydia Hortélio; integra a equipe de educadores da Casa Redonda Centro de Estudos e do Instituto Brincante; entre outras publicações é autora do livro Eu vi as três meninas, música tradicional da infância na Aldeia de Carapicuíba, que em 2015 recebeu o prêmio IPHAN de Salvaguarda do Patrimônio Imaterial; integra a Cia Cabelo de Maria com participação nos CDs Cantos de Trabalho volumes I e II, Baianás e São João do Carneirinho; participou do filme Tarja Branca, uma revolução que faltava produzido pela Maria Farinha Filmes e do filme Mitã, uma poética da infância brasileira, produzido pelo Espaço Imaginário.