[Inscrições abertas] Narrativas híbridas: oralidade, livros, quadrinhos, animação e documentação, Stela Barbieri e Joaquim Almeida


Informações

segunda-feira, das 19h às 22h
20 de agosto de 2018
03 de setembro de 2018
17de setembro de 2018
01de outubro de 2018
15 de outubro de 2018
29 de outubro de 2018
12 de novembro de 2018
26 de novembro de 2018

Valor: 2 x R$ 380,00para participação individual.
Preços especiais para grupos de 3 ou mais crianças/pessoas, entre em contato pelo email carina@binahespacodearte.com.br

Inscrições
carina@binahespacodearte.com.br
Telefones: (11) 3875-6008 e (11) 3467-4387

joaquim_gd

A imagem em movimento – narrativas. Narrativas de diferentes tempos,  materialidades e  mídias.
Entre a ficção e a realidade, a invenção das narrativas convoca materialidades e formas especificas, sugeridas pela historia que se quer contar. Vamos navegar numa trajetória entre  as narrativas orais,  o livro lustrado, os quadrinhos, as animações, os filmes e as documentações.
Faremos experimentos práticos e leituras.

 

stela_retrato Stela Barbieri é artista plástica, educadora, escritora e contadora de histórias.  Foi curadora do Educativo da Bienal de Artes de São Paulo e diretora da Ação Educativa do Instituto Tomie Ohtake. É assessora de artes da educação infantil e ensino fundamental na escola Vera Cruz e prestou assessoria nas escolas Castanheiras e Nossa Senhora das Graças. Stela fez parte do Conselho Consultivo do PGECC – Programa Gulbenkian Educação para a Cultura e Ciência, em Lisboa, Portugal e atualmente faz parte do conselho da Pinacoteca do Estado de São Paulo.

 Ela também coordenou o curso de Pós-Graduação em Museus e Instituições Culturais, do Instituto Singularidades. Contadora de histórias experiente, Stela é autora de 20 livros infanto juvenis. É diretora do Bináh Espaço de Arte.

joaquim_retrato Joaquim Almeida é artista, escritor, ilustrador e educador. Navega por linguagens diversas, seu trabalho aborda o território narrativo em busca de novas fronteiras e olhares inventivos. Participou com obras no catálogo internacional literário da Feira de Bolonha e com o livro “Quidungo” recebeu o selo altamente recomendável da Fundação Nacional de Literatura Infanto Juvenil (FNLIJ). Foi duas vezes finalista do prêmio Jabuti, uma das premiações mais importantes do mercado editorial brasileiro. Em 2015, “O mistério do Capiongo” foi selecionado entre os dez melhores da categoria juvenil e em 2016, “A mentira da Verdade” foi selecionada entre as dez melhores na categoria ilustração infantil e juvenil. No filme “O diabo era mais embaixo”, atuou junto com o seu irmão e artista Manu Maltez na invenção de máscaras e esculturas para o média metragem. Como educador, seu percurso profissional se estende desde 2002 passando por diversos projetos ligados a educação e instituições de ensino. Trabalhou como assessor na rede pública, na Derdic, escola para surdos, e em grandes escolas da capital de São Paulo. Pós graduando em animação, atualmente é atelierista da Escola Vera Cruz.