[Selecionados] Rastro: Narrativas do cotidiano Edital de registros, mini histórias e documentações [inscrições encerradas]

Informações

Inscrições encerradas
GRATUITO
de 05 de novembro a 20 de novembro de 2020.

Contato: contato@binahespacodearte.com.br

É com muita alegria que iniciamos essa semana com a divulgação dos selecionados no edital Rastro: Narrativas do cotidiano, de mini histórias, registros e documentações.
Ficamos muito impressionados com a dedicação de todos que submeteram trabalhos para avaliação nessa primeira edição do edital. Tivemos mais de 40 inscrições de várias partes do Brasil que nos brindaram com registros e relatos das mais diversas formas. Gostaríamos de agradecer todas e todos aqueles que se dedicaram e compartilharam experiências tão ricas conosco.
Também não poderíamos deixar de agradecer o apoio e a generosidade dos 11 membros convidados do júri, formado por educadores e artistas, que trabalharam nesses últimos dias de forma a selecionar 12 documentações dentre tantas tão potentes.
A equipe do binåh contabilizou os resultados dos jurados e por fim decidimos premiar 13 documentações.

Durante essa semana, entre o dia 01/12 e 04/12, faremos uma série de lives no nosso canal do YouTube nas quais compartilharemos essas documentações e receberemos convidados que vão partilhar pesquisas, relatos e ou documentações abrindo campo para a expansão do diálogo a respeito das narrativas do cotidiano.

Selecionados (clique nos nomes dos selecionados para ver os seus trabalhos):

Ana Beatriz Souza Cerqueira – CMEI Centro Cívico 
Carmen Lucia Orfanó
Cristiele Borges Dos Santos
Fernanda Costa Pereira
Fernanda Ferreira De Oliveira
Genecilda Dos Santos
Henrique Cruz Leite
Laura Luvison Méliga
Marcele Carla De Araujo Moreira
Maria Beatriz Piquet Carneiro Petrus
Manoella Rotelli Simões
Paola Winter Silveira
Thiago Pacheco

Jurados:

André Carrieri (Luiz André Carrieri Rosatelli) nasceu em São Paulo, Brasil, em fevereiro de 1959. Formou-se na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, ECA/USP, onde fez o bacharelado em Comunicação Social, com especialização em Rádio e TV (1979/1982). Enquanto cursava o bacharelado, participou por 5 anos como ator e dramaturgo do grupo de artes cênicas Teatro Núcleo Independente (1979/1983), coletivo teatral herdeiro das técnicas do teatro jornal de Augusto Boal. Nos anos 80 e 90, durante processo de formação e profissionalização trabalhou como coordenador de educação profissional no SENAC/SP, fez especialização em Psicodrama Pedagógico e Organizacional (1995/1997) e desenvolveu oficinas de vídeo para jovens do Ensino Médio (1996/2000). Fez mestrado na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, FE/USP, na área de Linguagem e Educação, onde investigou sobre aprendizagem e socialização de jovens através das tecnologias do vídeo digital (2004/2007). Trabalha como professor universitário e arte-educador. No Jornalismo, é docente das disciplinas de Teoria da Comunicação, Fotojornalismo, Roteiro e Produção de Vídeo Documentário. Na Pedagogia, é docente das disciplinas de Multiculturalismo nas Relações Escolares, Produção de Texto e Formação de Leitores. Sua experiência profissional se aplica às áreas de formação de professores, desenvolvendo e executando ateliês de fotografia para documentação pedagógica em parceria com ONGs, secretarias e escolas públicas e particulares.Como roteirista e diretor produziu os vídeos “Leituras de TV e Vídeo para Educadores” (1996), “O Olhar” (1997), “Memória e Identidade” (1999), “Respingos” (2004), “O Lugar da Pergunta na Sala de Aula” (2006), “Catadoras e Catadores: O Trabalho nas Cooperativas de Reciclagem” (2014). Publicou obras na área de educação de jovens e adultos como “O educador e as imagens: pontos de encontro” (2004) e “Comunicação e educação: interações” (2004), ambos editados em parceria com o SESI/UNB/UNESCO.

Cleide Terzi é pedagoga e mestre em Supervisão e Currículo – Especialista em Educação. Foi docente nos Cursos de Pedagogia: PUC/SP (1985-1987), Faculdade Tibiriçá (1983-1988). Elaborou a organização Curricular das Escolas de Magistério da Secretaria de Educação do Estado de Tocantins – 1995. Foi consultora na Fundação Vanzoline – Secretaria de Educação do Estado de São Paulo – PEC – Formação Universitária – 2001/2002 e coordenadora de grupo de formação de educadores de Escolas particulares e públicas. Autora dos livros: “A Prova Operatória”, “A Aula Operatória” e “O Pensamento parece uma coisa à-toa” e co-autora de mais de 4 livros. Atualmente é diretora da Ronca e Terzi Serviços e Treinamentos.

 

Josiane Pareja é professora, pedagoga com habilitação em Supervisão Escolar, especialista em Linguagens da Arte com ênfase nas Artes Visuais – no Maria Antonia – USP. Experiência como coordenadora pedagógica em escolas particulares no segmento da Educação Infantil com foco na formação dos professores, a prática pedagógica como objeto de reflexão e estudo permanentes. Experiência no atendimento a pais e profissionais/terapeutas que trabalham com crianças.
Participação e Grupo de Estudo com José Pacheco na Escola da Ponte em Aveiro – Portugal em 2007.
Participação em Grupos de Estudo na rede municipal de Reggio Emilia na Itália, com foco na Documentação pedagógica nos anos de 2009 e 2012. Participação em Grupos de Estudo no Colégio Aletheia em Buenos Aires na Argentina com foco na Documentação Pedagógica e no Espaço como terceiro educador nos anos de 2007, 2010 e 2012.
Na Secretaria de Educação do Município de São Paulo – Diretoria de Orientação Técnica – DOT, no Programa a Rede em Rede fase 5 como Formadora Central nas Dres. Freguesia do Ó e Penha em 2010. A Defesa da Infância com qualidade – Garantia do Brincar em contextos de aprendizagem significativa e, a não fragmentação do conhecimento também são temas de estudo e permanente aprofundamento em minha trajetória profissional. Participação no Projeto Território do Brincar como coordenadora nas escolas parceiras (www.territoriodobrincar.com.br), Projeto idealizado e coordenado por Renata Meirelles, momento de grandes reflexões sobre o brincar na escola contemporânea e nas diferentes culturas.

Luciane Frosi Piva é licenciada em Pedagogia (UNISINOS), especialista em Educação Infantil (UNISINOS) e Coordenação Pedagógica (UFRGS) e mestre em Educação (PPGEdu/UFRGS). É integrante do Observatório da Cultura Infantil – OBECI desde 2013. Atua na formação de professores e na assessoria pedagógica do Núcleo da Educação Infantil na Secretaria Municipal de Educação de Novo Hamburgo/RS. Realiza seus estudos, pesquisas e publicações no campo da Pedagogia da Infância e Educação Infantil.

 

Luciane Varisco Focesi é graduada em Pedagogia com Habilitação em Orientação Educacional pela Universidade Feevale; Especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Universidade Feevale; Brinquedista (UFRGS) Especialização em Docência na Educação Infantil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul(UFRGS). É membro integrante do Observatório da Cultura Infantil- OBECI, comunidade de apoio profissional, coordenado pelo Doutor Paulo Fochi. É professora da Rede Municipal de Ensino de Novo Hamburgo e atualmente é Coordenadora da Educação Infantil desta municipalidade. Atua no assessoramento pedagógico de escolas e redes de Educação Básica. Tem experiência na área da Educação, com ênfase em Educação Infantil, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, bebês, brincar e educação infantil. Tem publicado especificamente no campo da Pedagogia da Infância.

Luz Marina é cantora, compositora, mãe, pedagoga, mestre em educação e música pela USP e atelierista da Escola Vera Cruz. Lançou seu primeiro álbum homônimo no final de 2013. Durante 2014 e 2015 participou do projeto Mulheres Espíndola. Gravou no álbum Ascensão de Serena Assumpção e participou do show de lançamento no Sesc Pompeia em 2016. Em 2018 e 2019 integrou a banda de Tetê Espíndola no show Outro Lugar. Em 2019 fez parte do elenco de Macuna Ópera, de Iara Rennó. Fez direção artística e cenografia do show de lançamento do cd Recuerdos (selo Sesc) junto com Iara. Canta, toca violão e atua no espetáculo infantil “Catopleia – alegorias musicais”, com composições em parceria com a artista visual e escritora Edith Derdyk, que fez temporadas em 2018 no Sesc Ipiranga e Sesc Av Paulista e no Sesc Pompeia em 2019 – que ainda este ano lançam o álbum digital.

Maira Dourado é pedagoga, mestra em educação. Atualmente está como coordenadora pedagógica de um Centro Municipal de Educação Infantil de Goiânia. Criadora da página @escutattoria, produz conteúdo para área de Educação Infantil.

 

 

 

Paulo Fochi é pedagogo, Especialista em Educação Infantil (Unisinos), Mestre em Educação na linha Estudos da Infância (UFRGS), Doutor em Educação na linha de Didática e Formação de Professores (USP). Atualmente é professor da Unisinos e coordena o Observatório da Cultura Infantil – OBECI. É membro da Associação Criança (Braga, Portugal). Membro dos Grupos de Trabalho sobre Educação de 0-3 anos e Pedagogias Participativas e Investigação Praxiológica da Associação Europeia de Pesquisa em Educação Infantil (Europen Early Childhood Education Research Association – EECERA). Já atuou em diversos trabalhos junto ao Ministério da Educação, dentre esses, como um dos quatro consultores para a elaboração da Base Nacional Comum Curricular para a Educação Infantil. Também atuo na pesquisa e desenvolvimento de espetáculos para bebês, como Cuco – A linguagem dos bebês no teatro e Chuá – Descobertas na água da CIA Caixa do Elefante. É colunista do Portal Lunetas e tem publicado especificamente no campo da Pedagogia da Infância, Educação Infantil, Bebês, Documentação Pedagógica e Formação de Professores.

Valéria Prates Gobato é produtora cultural, educadora e gerente de projetos. Mestre em Indústria Criativa e Cultural pela London Metropolitan University, realizou seu MBA em Bens Culturais – Cultura, Economia e Gestão pela Fundação Getúlio Vargas. Valéria é também bacharel em Língua e Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo e possui Licenciatura plena em Pedagogia. Desde 2010, coordena equipes e projetos em ações educativas de diversas instituições culturais, como a Fundação Bienal de São Paulo, o Instituto Tomie Ohtake, o Museu de Arte do Rio e Quadrado projetos. Também faz assessorias pedagógicas para escolas e instituições culturais, como Escola Vera Cruz (desde 2018) e Liceu Santa Cruz (desde 2016) e exposições temporárias no SESC SP.

 

Vitor Janei é formado em Pedagogia pela Universidade Estadual de São Paulo e pós-graduado em Linguagens das Artes pela Universidade de São Paulo. Possui mestrado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos e atualmente faz doutorado na mesma instituição. Lecionou no Ensino Fundamental e na Educação Infantil nas redes municipais de Rio Claro, Barueri e São Paulo. Foi professor de Educação Infantil e Formador de professores do Instituto Fazenda da Toca. Hoje atua como professor e formador da Escola Ateliê Carambola.

 

 

Waldir Hernandes é graduado em biologia, especialista em Psicofarmacologia pela Escola Paulista de Medicina/UNIFESP. Atuou como professor e coordenador da área de Science da Stance Dual School. Utiliza técnicas da fotografia para aproximação dos temas de interesse dos adolescentes. Conduziu atividades de fotografia com jovens residentes em áreas de elevada vulnerabilidade social da cidade de São Paulo por meio do CENPEC. Desenvolve ações formadoras de educadores. É professor da Disciplina de Ciências e de Convivência em Processo de Grupo do Colégio Bandeirantes. É o professor responsável pelo Ateliê Oficina de Fotografia do Colégio Bandeirantes.

 

 

Rastro: Narrativas do cotidiano
Edital de registros, mini histórias e documentações

Clique aqui para dowload do edital em PDF

Ano de pandemia, de suspensão da rotina, de acordar a casa, de acordar a escola, de acordar em nós o que é essencial. Talvez esse seja o momento em que os professores mais trabalharam, superando dificuldades técnicas, criando outros percursos e vivendo aproximações mesmo na distância. Sabemos que muito foi feito e queremos celebrar o vivido a partir da partilha de registros, mini-histórias e documentações, cartografias que revelem processos de investigações.

O ano de 2020 está sendo, por um lado, um momento de recolhimento, de espera, de reflexão, de olhar interno, e por outro, está sendo também um ano de grandes movimentos, ano para desenhar e realizar outros projetos, investigar problemas para reconhecer outros caminhos de invenção e transformação da realidade.  Em meio a esse vendaval, como nos localizarmos no processo? Como criar pistas que nos permitam ver de novo, de maneira atenta? Como inventar movimentos ao olhar para o vivido? Em meio a todo o turbilhão que foi 2020 resolvemos retomar as experiências por meio dos registros, mini histórias e documentações construídos ao longo do percurso por pessoas de todo Brasil e outros lugares do mundo.

Este edital está sendo criado pelo binåh espaço de arte para que os educadores possam compartilhar as experiências vividas em situções de apendizagem. No início de dezembro realizaremos uma semana imersiva no YouTube do binåh espaço de arte sobre as Narrativas do Cotidiano: registros, mini-histórias e documentações. Nesta semana exibiremos as documentações selecionadas pelo edital.

binåh espaço de arte

Datas relevantes

Início do edital: 05/11

Fim do edital: 22/11

Publicação do resultado: 30/11

Semana de documentação: 01/12 – 04/12

INSCRIÇÕES

FORMATO

Nomenclatura dos arquivos:

NOME E SOBRENOME DO PROPONENTE_DATA DO ENVIO

                          exemplo: josedasilva_05112020

Tipo de arquivo

Vídeo: Link com senha no Vimeo com permissão de download –

até 5 minutos

PDF (contendo textos e/ou imagens): até 10 slides com até 10 mb

Áudio: arquivo mp3 até 5 minutos

Inscrições através  do link: https://forms.gle/Spf533sz7Uci6nzn7

Critérios pAra seleção

Serão selecionadas 12 documentações, que poderão ser enviadas em formato de vídeo, PDF ou áudio.

Durante o mês de novembro os membros do juri serão anunciados nas nossas redes sociais.

Abaixo seguem os critérios a serem considerados:

– Construção da narrativa que revele o processo vivido.

– Respeitar o Estatuto da Criança e do Adolescente *, levando em conta especialmete o Artigo XVII (Art. XVII  E.C.A. – O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, idéias e crenças, dos espaços e objetos pessoais).

* Link para acessar o Estatuto da Criança e do Adolescente: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm#:~:text=aux%C3%ADlio%20e%20orientação.-,Art.,dos%20espaços%20e%20objetos%20pessoais

– Revelar processos de aprendizagem, invenção e a presença das crianças, dos jovens ou dos adultos que participam do trabalho.

– Apresentação clara do problema investigado.

– Autonomia de comunicação dos registros: este registro deve ter comunicação que prescinda da presença do educador para ser apresentado. Sua interpretação deve ser indepente de explicação prévia, de maneira que fale por si.

– Síntese e tempo de apresentação no formato sugerido.

– Adequação aos formatos especificados no documento.

Premiação

– Publicações  (e-books) – colecionáveis binåh 1 ao 7.

Livreto 01 – espaço, tempo e materialidade

Livreto 02 – Lugar de desenhar

Livreto 03 – Lugar de construir

Livreto 04 – Lugar de narrar

Livreto 05 – Lugar de cor/ luz/ sombra

Livreto 06 – Lugar de transformação

Livreto 07 – Berilimbau – a construção dos lugares coletivos/comuns

– Compartilhamento dos trabalhos na semana de Narrativas do cotidiano: Registros, documentações e mini-histórias.

ANEXO: Cessão de direitos / Essa documentação que está sendo compartilhadas poderão ser compartilhamento de imagem.

Anexo – cessão de direitos

Ao se inscrever em uma atividade do Bináh Espaço de Arte, o participante autoriza a utilização de sua imagem e voz, que possa ser fotografado e/ou filmado, em todo em qualquer material que poderá ser publicado nos sites (http://binahespaçodearte.com.br; http://stelabarbieri.com.br; fernandovilela.com.br) bem como nas redes de relacionamento Facebook, Instagram, YouTube e demais mídias sociais, publicações impressas e online da Artebr, Bináh Espaço de Arte, Fernando Vilela e Stela Barbieri, podendo ser usado para fins educacionais e de divulgação. Fica ainda autorizada, de livre e espontânea vontade, para os mesmos fins, a cessão de direitos de veiculação, não recebendo para tanto qualquer tipo de remuneração em todo território nacional e no exterior, sob qualquer forma e meio. Fica aqui registrado que fica ciente que, caso assim o(a) participante faça, poderá ser legalmente responsabilizado(a) pelo uso indevido de conteúdo autoral.

Fica aqui registrado que fica ciente que, caso assim o(a) participante faça, poderá ser legalmente responsabilizado(a) pelo uso indevido de conteúdo autoral.

O participante fica responsável pelas autorizações (direitos de imagem, direitos autorais, trilha sonora) necessárias referentes ao material inscrito no edital.

ficha técnica

binåh espaço de arte é um lugar de invenção, investigação e imaginação. Um lugar de encontros e experiências com e a partir da arte, que foi construído no ateliê de Stela Barbieri e Fernando Vilela. Conta com uma equipe de profissionais diversos (cineastas, designers, artistas, escritores, educadores, músicos e cientistas) e realiza cursos, oficinas, grupos de estudos, assessorias, encontros, visitas, ateliês e festivais para adultos e crianças.

o binåh dialoga com as inquietações, urgências e questões de pessoas, escolas e organizações, instaurando um lugar estético, ético e político de deslocamento, para construção de outros olhares que integram o pensar e o fazer. A arte e a educação são os principais campos de sustentação das investigações deste lugar de encontros e entrelaçamentos entre as experiências singulares, as diversas áreas do conhecimento e diferentes linguagens, que se articulam em torno de questões contemporâneas criando um território de partilha.

equipe binåh

Carina Tiyoda

Felipe Leônidas

Fernando Vilela

Flora Pappalardo

Gilson Pereira

Pedro Campanha

Romeu Loreto

Roselane Silva

Stela Barbieri