devaneios binåh: Casa nômade – Qual é a casa da casa? com Sapopemba, Marcelo Silveira, Fernanda Zerbini, Laura Gorski e Stela Barbieri

Informações

Encontro online - quinta, das 19h às 21h
23 de julho de 2020

Duração: 2h
Vagas limitadas

Valor: R$30,00

Contato: contato@binahespacodearte.com.br

Inscrições: através do link do sympla

https://www.sympla.com.br/devaneios-binah-casa-nomade---qual-e-a-casa-da-casa__912822

 

 

Devaneios binåh: Casa nômade – Qual é a casa da casa?

Com Sapopemba, Marcelo Silveira, Fernanda Zerbini, Laura Gorski e Stela Barbieri

 

23/07

quinta feira

19h às 21h

 

Pessoas são casa pra nós?

A Floresta é casa pra nós?

A Estrada é casa pra nós?

A cidade é casa?

O planeta é casa?

Onde você mora?

O que mora dentro de você?

Vivemos a casa em nós de tantos modos.

Vivemos, nestes quase 4 meses que se passaram dentro da casa, o atravessamento de momentos que nos impuseram limites e, ao mesmo tempo, fomos convocados para novas possibilidades.

Ao que somos convocados agora?

O que os limites deixaram ver ou expandir?

Que matérias da casa convidaram o nosso imaginário?

O que é viver a casa dentro do mundo dramaticamente desabando?

O que mudou? O que precisa mudar?

O que foi suspenso, o que está em movimento?

 

Sobre os participantes

Laura Gorski (São Paulo, SP, 1982) é artista visual e educadora. Sua pesquisa envolve a investigação de paisagens por meio do deslocamento, a criação de lugares contemplação e silêncio através do desenho e sua relação com o corpo e o espaço. Formou-se em Design de produto pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Participou de diversas exposições nacionais e internacionais e das residências artísticas Casa Wabi, no México (2019), Terra UNA na Serra da Mantiqueira (2018), LABVERDE na Floresta Amazônica (2017), ZKU em Berlim (2013), cidade na qual viveu durante um ano e Fundação Bienal de Cerveira (2012), em Portugal, onde integrou a 17a Bienal de Cerveira. É professora de artes na Escola Vera Cruz. Como educadora trabalhou na coordenação da Ação Educativa do Instituto Tomie Ohtake, integrou a equipe de coordenação dos ateliês da 29a Bienal Internacional de São Paulo, foi professora de artes do Ensino Fundamental I na Escola Castanheiras, em São Paulo e trabalhou na OSCIP Comunidade Educativa CEDAC com formação de professores em diversas regiões do Brasil como Maranhão, Espírito Santo, Pará e Minas Gerais. www.lauragorski.com

 

Stela Barbieri é artista , educadora, escritora e contadora de histórias.  Foi curadora do Educativo da Bienal de Artes de São Paulo e diretora da Ação Educativa do Instituto Tomie Ohtake. Foi assessora de artes da educação infantil e ensino fundamental na escola Vera Cruz e prestou assessoria nas escolas em SP e RJ  Stela fez parte do Conselho Consultivo do PGECC – Programa Gulbenkian Educação para a Cultura e Ciência, em Lisboa, Portugal e  da Pinacoteca do Estado de São Paulo.

 Ela também coordenou o curso de Pós-Graduação em Museus e Instituições Culturais, do Instituto Singularidades. Contadora de histórias experiente, Stela é autora de 25 livros infanto juvenis. É diretora do Bináh Espaço de Arte.

 

Marcelo Silveira nasceu em 1962, em Gravatá, Pernambuco. Vive e trabalha em Recife. A prática de Marcelo Silveira parece questionar categorias pré-estabelecidas, ao desafiar e tensionar definições aparentemente consolidadas de escultura, instalação, arte popular, artesanato e colecionismo. Sua produção move-se a partir do interesse pela materialidade. Tudo pode ser objeto de trabalho: madeira, couro, papel, metal, plástico e vidro são apenas alguns dos elementos explorados. Contudo, também é fundamental a configuração por eles assumida, que pode ser criada a partir do repertório formal comum àqueles objetos – garrafas e copos de vidro, por exemplo – ou pela recriação de formas familiares e comuns em matérias inesperadas– como Silveira faz com a madeira, por exemplo. Suas obras integram importantes coleções institucionais, tais como:  Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio), Rio de Janeiro, Brasil; Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC USP), São Paulo, Brasil; Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães (MAMAM), Recife, Brasil; Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil.

 

Sapopemba é percussionista, cantor, ogã, caminhoneiro e taxista. Mais que isso, é um profundo pesquisador da musicalidade religiosa afrobrasileira. Fez parte do grupo Abaçaí, com o qual gravou o CD “Agô”. Participou da trilha do espetáculo Milágrimas, de Ivaldo Bertazzo. Gravou o CD “Guga Stroeter e HB convidam Sapopemba”. Já gravou os programas “Provocações” e “Ensaio” da TV Cultura e tocou na Alemanha, Cuba, Coréia, Espanha e França. Faz parte do grupo Clareira, com Benjamin Taubkin, Mazeh Silva e outros. Em 2020 lança o disco “Gbó”.

 

Fernanda Zerbini é Artista plástica e arte educadora. Graduada em Fotografia, Arte e Cultura na Senac, São Paulo. Trabalhou como arte educadora no Projeto Pólen, Espaço Cria, Rio de Janeiro. Cenografia na Fábula, com Nina Becker. E assistências para artistas como Nuno Ramos, Laura Vinci, Luiz Zerbini, Rubens Espírito Santo, Caio Reisewitz.

 

 

Informações úteis

– O evento será realizado no programa zoom, e o link será enviado no dia anterior à palestra.

– Caso não tenha o programa, sugerimos que faça o download com antecedência nesse link (https://zoom.us/download#client_4meeting)

– Sugerimos que se possível, que fique próximo ao roteador ou mesmo conecte o cabo de internet direto no computador, para que a conexão tenha um melhor desempenho.

– poucos dias após a palestra serão enviados os certificados digitais de participação.